7 a 11 Novembro | 2022
São Paulo Expo | SP

Anuário da ANFAVEA aponta tendência de crescimento na venda de veículos pesados eletrificados no país

“Nos dois primeiros meses do ano praticamente atingimos o total de unidades vendidas no ano passado, só em veículos eletrificados. Estamos na direção certa de utilizar as novas tecnologias de descarbonização”, salienta Luiz Carlos Moraes, presidente da entidade.

As novas tecnologias de propulsão elétrica e a gás estão cada vez mais aumentando a participação no segmento de veículos pesados no país, aponta o Anuário da Indústria Automobilística Brasileira 2022, lançado recentemente pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA). “Nos dois primeiros meses do ano praticamente atingimos o total de unidades vendidas no ano passado, só em veículos eletrificados. Estamos na direção certa de utilizar as novas tecnologias de descarbonização”, salienta Luiz Carlos Moraes, presidente da entidade.

Ao longo de 2021, foram comercializadas 260 unidades eletrificadas, enquanto que só em janeiro e fevereiro deste ano o número já atingiu 313. “Sobre o impacto da vendas de novos veículos pesados que atendem a nova fase do Programa de controle de emissões veiculares ― Proconve P-8, que entrou em vigor em 2022 e é equivalente à Euro 6, a ANFAVEA ainda não tem números consolidados”, explica Gustavo Bonini, vice-presidente.

O anuário registra, também, que a produção de caminhões no país registrou, nos dois primeiros meses do ano, um crescimento de 1,2% em relação ao mesmo período de 2021. De acordo com o levantamento, foram produzidas 20.900 unidades no acumulado de janeiro e fevereiro, enquanto que, no ano passado, foram 20.600. Quando se faz um comparativo entre janeiro e fevereiro de 2022, o crescimento foi de 20,4%. No primeiro mês do ano, foram produzidas 9.500 unidades, contra 11.400 no segundo mês. 

Já o índice de emplacamentos de caminhões nos dois primeiros meses do ano teve um aumento de 8,7% em relação ao mesmo período de 2021. Foram 16.600 unidades emplacadas, contra 15.300 no ano passado. “É importante observar que, neste segmento, as negociações de venda e compra podem durar meses, influenciando nos índices ao longo do ano. Os caminhões pesados continuam com uma grande representação com quase 50% do total comercializado. Se somarmos também os semipesados, chegam a uma medida de quase 75% do mercado”, ressalta Bonini.

 

Guerra na Ucrânia  

O vice-presidente da ANFAVEA considera prematuro fazer alguma projeção sobre os impactos da Guerra na Ucrânia sobre o segmento de veículos pesados. “No entanto, as exportações de caminhões ou componentes para a Rússia foram suspensas por tempo indeterminado. Não temos números sobre o impacto disso, mas a tendência é de que as empresas brasileiras direcionem a produção para outros mercados”, explica Bonini. 

 

O Anuário da Indústria Automobilística Brasileira 2022 pode ser acessado em https://anfavea.com.br/anuario2022/2022.pdf

 

Conteúdo criado com exclusividade para o blog ROTA DIGITAL NEWS da FENATRANpor Valéria Bursztein.

                                                          

(Legenda foto: Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea - crédito: divulgação)