7 a 11 Novembro | 2022
São Paulo Expo | SP

Uso de bicombustíveis é um caminho sem volta no setor de transportes

Empresas globais como a Mercedes-Benz vem fazendo grandes investimentos para eliminar as emissões de poluentes e promover a descarbonização

Um caminho sem volta em direção a um mercado mais sustentável que uma economia e respeito ao meio ambiente. Assim vem sendo construído a realidade do setor de veículos de carga de grande porte no mundo e no Brasil. Atualmente, o diesel é a fonte de energia de 90% dos caminhões e ônibus que circulam no país, mas estudos como o Transporte Comercial Net Zero 2050: caminhos para descarbonização do modal rodoviário no Brasil que apontam investimentos e regulamentação de alternativas como os biocombustíveis podem zerar as emissões de poluentes no setor de transportes até 2050.

Empresas globais como a Mercedes-Benz vem fazendo grandes investimentos nessa direção. "Estamos comprometidos com os objetivos do Acordo de Paris sobre proteção climática e, portanto, com a descarbonização do nosso setor. Dentro desse foco, os biocombustíveis, como o biodiesel, são soluções que aplicamos nos nossos motores e em todos os novos desenvolvimentos", salienta Jefferson Ferrarez, diretor de Vendas e Marketing Caminhões da Mercedes-Benz do Brasil.

Um investimento pela companhia citado pelo executivo é o HVO (Óleo Vegetal Hidrotratado ou Óleo Vegetal Hidrotratado), um biocombustível de 2ª geração que pode ser utilizado em qualquer motor a diesel. Além de reduzir as emissões de poluentes, não exige nenhuma alteração na infraestrutura de abastecimento ou na logística de distribuição de combustível.

"Todos os nossos motores são desenvolvidos e estão preparados para uso do biodiesel, conforme Resolução da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), e também são testados conformes como misturas especificadas por essa agência governamental e seu cronograma de evolução dos percentuais de adição ao diesel", explica Ferrarez.

Atualmente, o principal foco da empresa é preparar um portfólio de produtos para atendimento à legislação de emissões Proconve P8 (Euro6) do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente), qualificando os motores e os sistemas de pós-tratamento, combinando, naturalmente, com o uso de biocombustíveis como biodiesel.

Qualidade para garantir a segurança e confiabilidade, o executivo da Mercedes-Benz do Brasil reforça que todos os motores são testados e preparados para o uso do biodiesel. "São reconhecidos por sua robustez, durabilidade e economia. Por isso, em todo o desenvolvimento procuramos manter esses requisitos. Também faz um trabalho consistente de conscientização para os cuidados e as manutenções necessárias", frisa. 

E completa: "Nossos indicamos recomendações o uso de um biodiesel de qualidade, respeitando as especificações da ANP. Em grandes frotistas, orientamos para os cuidados com o armazenamento, evitando a contaminação do combustível e também com o tempo de armazenamento, evitando a degradação do biodiesel". Recomenda, ainda, revisões e as manutenções conforme o manual de manutenção, respeitando os prazos especificados, especialmente os filtros de combustíveis e o sistema de injeção de combustível do motor.

Para garantir o desempenho correto, Jefferson Ferrarez orienta que se utilizar peças de qualidade, principalmente filtros de combustíveis.

Conteúdo criado com exclusividade para o blog ROTA DIGITAL NEWS da FENATRANpor Valéria Bursztein.